sábado, 17 de março de 2007

Redifinição estratégica.

Ontem, o dr. Paulo Portas fez um apelo que não deve passar despercebido - "o eleitorado que não é de esquerda" deve incrustar-se no CDS-PP.

É, pois, ponto de partida que o nosso ilustre candidato, para criar o grande partido de centro-direita, vai deslocar a estrutura para o centro: lamentemos, mas apoiemos. Chama-se estratégia (ou, se quiserem os prosaicos, inteligência).

E já agora, lembremos o que diz esse crítico intelectual (e inactivo na obra) que dá pelo nome de Pacheco Pereira:"Há um CDS e um PP agrafados um ao outro. [...]O CDS é conservador, democrata-cristão [centrista, burguês], com pontos de vista europeístas. O PP é uma direita mais jovem, mais radical, mais extremista, é centrado nas questões da direita mais direita da Europa: segurança e imigração."

Digam o que disserem, o CDS-PP, com Paulo Portas na liderança, não deixará de ser um só!

3 comentários:

David Ramos Martins disse...

Mais centrista do que é actualmente é manifestamente impossivel.

A ideia de Portas é não sermos o partido dos nichos: ora dos centristas católicos, ora dos conservadores;

Vamos a todas. Estilo PSD, mas de Direita.

Não vamos ocupar um espaço, vamos cria-lo.

Mas, sejamos honestos, alguem espera um elogio de Pacheco Pereira a Paulo Portas ou à Direita?

O PP é mais radical, mais extremista? Nada mais errado. Há um abismo entre o CDS/PP e qualquer extremismo nacionalista.

O PP é de Direita, Conservador-Liberal. O CDS é Centrista, Democrata-Cristão.

O que Portas fará como ninguém é a união entre os dois. Ao contrário do Centrista quasi-socialista Ribeiro e Castro.

Maria Machado disse...

"Centrista quasi-socialista Ribeiro e Castro"
ehehehe

"Não vamos ocupar um espaço, vamos cria-lo"
concordo... um partido dubio que ora pende para onde dá mais jeito, não é uma boa opção.

Nuno Morgado disse...

Caro David:

Vejo aí algumas confusões. O CDS-PP com a actual liderança não é centrista per si (mas é burguesa): se te lembrares dos discursos do dr. Castro facilmente te vem à memória a máxima "sou católico, conservador e de direita". A questão fulcral é que o actual presidente não deixa o partido crescer (e os motivos são muitos), por isso eu defendo que ele deve sair e dar lugar a um homem carismático e competente como é o dr. Portas.

A ideia do nosso candidato é construir um grande partido de centro -direita que, obviamente, implica uma viragem ao centro. Foi esta ideia que eu quis passar ao citar aquela frase. Tu próprio me dás razão ao classificar o projecto com semelhanças ao PSD...

Por outro lado, acho que percebeste que não simpatizo muito com Pacheco Pereira, mas ficaste escandalizado com aquilo que transcrevi. Vamos lá ver: quando eu cito que o PP é mais radical que o CDS é no referente à matéria que o compõe, e mencionei duas - a segurança e a imigração. E isso, (podes não te ter apercebido ainda), é um dado adquirido. Agora não estás (nem eu) à espera de ver gente em saudação romana e com conversas antidemocráticas, no seio do CDS-PP, com certeza! Se os houver, estarão com certeza bem disfarçados...

cumprimentos